Estudar nos EUA é possível! Universidades oferecem bolsas que incluem até as passagens aéreas

O brasileiro Bruno Betat conseguiu bolsa integral em Chicago após estudar a vida inteira em escola pública

Estudar nos Estados Unidos parece um sonho impossível para muita gente. No entanto, as Universidades do país oferecem uma ampla gama de bolsas de estudo a estudantes estrangeiros, que podem incluir até mesmo as passagens aéreas de ida e volta.

Formado em Relações Internacionais pela Universidade de Chicago — que foi classificada como a terceira melhor instituição de ensino superior dos EUA no ranking de 2017 da U.S. News & World Report’s —, o gaúcho Bruno Betat é exemplo vivo de que é possível sonhar com isso. Tendo estudado sua vida inteira em escolas públicas de uma comunidade carente de Porto Alegre, ele conseguiu uma bolsa integral para fazer graduação no país.

— Essa oportunidade mudou minha vida. Voltei como aluno de uma das melhores universidades do mundo, com uma formação diversificada e de extrema qualidade, além do domínio total do inglês.

Foram quatro anos de estudos em Chicago, complementados por mais um ano de experiência no mercado de trabalho norte-americano. Interessado em trabalhar na área da educação, Betat retornou ao Brasil e foi empregado na Comissão Fullbright, voltada ao intercâmbio educacional entre os dois países.

Dentre as diversas experiências que teve nos Estados Unidos, Betat destaca como o principal diferencial da educação no país o modelo de formação acadêmica diferenciado, que permite ao aluno uma “exposição a um leque mais amplo de conhecimentos”, além do intercâmbio cultural com pessoas de realidades diferentes.

— As universidades norte-americanas têm o objetivo de diversificar seus campus, com alunos de países e classes sociais diferentes. Para elas, esse perfil ajuda no desenvolvimento acadêmico, então as bolsas oferecidas vêm como uma maneira de ampliar a formação universitária.

Oportunidade de contato

Nesta segunda-feira (26), o EducationUSA — rede ligada à Seção de Educação e Cultura (Bureau of Educational and Cultural Affairs – ECA) do Departamento de Estado Americano que oferece apoio e direcionamento para estudantes brasileiros interessados em estudar no país — realiza em São Paulo a 14º edição da Feira EducationUSA.

Mais de 40 instituições de ensino vão participar do evento, que permitirá ao estudante brasileiro ter contato direto com representantes das universidades norte-americanas e se informar sobre as ofertas de cursos de inglês, graduação, pós-graduação e extensão oferecidos por elas.

Coordenadora nacional do EducationUSA no Brasil, Marta Bidoli afirma que, muitas vezes, os custos de se estudar em uma universidade de baixo custo nos Estados Unidos são equivalentes ou até menores aos gastos de alunos que têm que se mudar de suas cidades para cursar graduação no Brasil, se incluídos os custos com alimentação, moradia e transporte.

Apesar de tanto as universidades públicas quanto as privadas serem pagas nos EUA, Bidoli ressalta que a grande maioria das mais de 4.500 instituições de ensino do país oferecem bolsas de estudo, que podem variar de 10% a 100% de desconto. Ao contrário do que acontece no Brasil, lá são os próprios departamentos das universidades que oferecem as bolsas.

— Tem alunos que vão com bolsas de 100%, com passagem, alimentação, tudo pago, e ainda recebem passagens para voltar uma vez por ano para visitar a família.

Procedimento

Todo o processo de admissão para universidades norte-americanas pode ser feito do Brasil. Para isso, Bidoli lembra que o EducationUSA está disponível para ajudar nos procedimentos necessários, por meio de seus 32 escritórios no País.

Ela ressalta ainda que as instituições avaliam fatores combinados para definir a porcentagem da bolsa que será oferecida ao aluno. Deste modo, o desempenho acadêmico do estudante é um diferencial, além do nível de seu inglês atividades extrasala, como trabalhos voluntários, atividades extras e projetos científicos.

— Normalmente, o aluno faz as provas de admissão ao longo, principalmente, do terceiro ano do ensino médio, e envia a documentação, geralmente, até o dia 1º de janeiro. Então, o aluno que quer começar a graduação em setembro do ano que vem deve entregar em janeiro de 2017 sua documentação.

Fonte: www.r7.com